Sujeito oculto, Sujeito indeterminado e Oração sem sujeito. Entenda a diferença. Veja exemplos.

Onde está o sujeito?

 

Qual o sujeito das orações abaixo?

  1. Não consigo parar de ler este livro.
  2. Roubaram minha bolsa.
  3. Havia dez pessoas na reunião.

 

 

Sujeito oculto

Sujeito oculto é o sujeito que está implícito na oração, ou seja, o sujeito não está expresso, mas é facilmente identificável pelo contexto ou pela desinência verbal. Por isso, esse tipo de sujeito é conhecido como oculto,  implícito, elíptico, subentendido ou desinencial. 

  • Não consigo parar de ler este livro. [Sujeito: “eu”, que se deduz pela desinência do verbo.]
  • O menino  aproximou-se e contou uma longa história. [O sujeito, “o menino”, está expresso na primeira oração e elíptico na segunda: e (ele) contou uma longa história.]

 

Sujeito indeterminado

Apesar de o verbo indicar que houve uma ação praticada por alguém, a identidade do sujeito é indeterminada.

Indetermina-se o sujeito normalmente por três motivos:

  1. Por não se saber sua identidade.
  2. Por querer torná-lo desconhecido.
  3. Por generalização.

Em português, assinala-se a indeterminação do sujeito de três modos:

1) Verbo na 3ª pessoa do plural sem sujeito explícito.

Normalmente falam pelas costas por ser mais conveniente. [Alguém fala, não se diz quem.] // Roubaram minha bolsa. [Alguém roubou, não se sabe quem.]

2) Verbo ativo na 3ª pessoa do singular + partícula de indeterminação do sujeito SE.

Vive-se bem neste lugar.

3) Verbo no infinitivo impessoal

Para conquistar sua confiança, é necessário trabalhar arduamente.  [ = Para (alguém) conquistar sua confiança, é necessário (esse alguém) trabalhar arduamente.]

Oração sem sujeito

As orações sem sujeito são construídas com os verbos impessoais, os quais não apresentam um sujeito promovendo a ação verbal. Tais verbos são usados na 3ª pessoa do singular.

São verbos impessoais:

1) HAVER com sentido de existência, ocorrência ou tempo decorrido.

  • Havia dez pessoas na reunião.
  • Houve dois feridos no acidente.

2) FAZER, PASSAR, FICAR e ESTAR, com referência ao tempo ou aspectos naturais.

  • Faz dois anos que me formei.
  • Hoje fez muito calor.
  • Ficou escuro de repente.
  • Estava frio naquele dia.
  • Passava das cinco da tarde.

3) Verbos que indicam fenômenos naturais: chover, ventar, nevar, trovejar, relampejar, amanhecer, anoitecer.

  • Ventou muito durante a noite.
  • Chovia torrencialmente.

Usados em sentido figurado, esses verbos têm sujeito e deixam de ser impessoais.

  • O orador trovejava ameaças.
  • Chovem notícias tristes nos jornais.

 

Fonte:

 A Gramática para Concursos Públicos, de Fernando Pestana.

——-

Agora preciso da sua ajuda!

Por favor, deixe um comentário dizendo se esta postagem foi útil para você. Isso é o que me motiva a continuar. Você pode deixar também suas dúvidas de português, sugestões, críticas. Somente dessa forma posso aprimorar o conteúdo deste blog.

Aproveito para convidá-lo a “seguir” Português sem Mistério. Com isso, você será avisado por e-mail toda vez que eu publicar um texto novo.

Forte abraço!

Betty Vibranovski

——–

Conheça a página inicial deste site.

——-

BANNER_Revisão de Textos_v2

Anúncios

30 comentários sobre “Sujeito oculto, Sujeito indeterminado e Oração sem sujeito. Entenda a diferença. Veja exemplos.

  1. Muito bom! poderia me tirar uma duvida? na oração ”Saltava com mau pressentimento sobre os ventos e as pedras.” tem sujeito indeterminado né? já que não se sabe se é ele ou ela que saltava. O gabarito diz ser sujeito oculto por estar oculto o ”ele”, porém, não tem como identificar o gênero…não seria então sujeito indeterminado?

    Obrigado, professora.

    Curtir

  2. Adorei este blog, ajudou-me muitíssimo, fácil de entender, os exemplos são claros e precisos. Muito obrigada por compartilhar estes assuntos, que não são fáceis, mas do jeitinho que você explica fica bem entendido.

    Curtido por 1 pessoa

    • Olá, Júlio.
      Bem-vindo ao blog Português sem Mistério!
      Obrigada pela mensagem.
      Aproveito para convidá-lo a “seguir” o blog Português sem Mistério. Dessa forma, você será avisado por e-mail toda vez que eu publicar um texto novo.
      Abraço,
      Betty

      Curtir

  3. No caso da oração sem sujeito, no item 1, a respeito do verbo HAVER, penso que o exemplo: “Eu não durmo bem há três noites” está incorreto, pois essa oração tem sujeito “EU”, o correto seria: Há três noites não dorme bem. Porque nesse caso o verbo haver indica tempo decorrido e o verbo dormir está na terceira pessoa do plural.

    Curtido por 1 pessoa

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s